Exchanges descentralizadas o que sao e como funci e1693488123293

As Excganges descentralizadas, mais conhecidas como DEXs, representam um novo paradigma nas negociações de criptomoedas. Elas operam como mercados peer-to-peer, onde traders de cripto podem conduzir transações diretamente entre si, sem a necessidade de intermediários ou custodiantes. A engrenagem por trás dessa interação direta é o uso inteligente de contratos autônomos, ou contratos inteligentes, que são códigos programáveis.

O propósito central das DEXs é eliminar a dependência de autoridades centralizadas para supervisionar e autorizar as operações. Nesses ambientes, as negociações acontecem de forma peer-to-peer, conectando compradores e vendedores de criptomoedas em uma rede descentralizada. Um aspecto fundamental é a ausência de custódia, o que implica que os usuários mantêm controle total sobre suas chaves privadas de carteira. Uma chave privada é uma forma de criptografia avançada que possibilita o acesso aos ativos criptográficos.

O que são exchanges descentralizadas?

Exchanges descentralizadas, ou DEXs, são plataformas de negociação de criptomoedas onde os usuários podem realizar transações diretamente entre si, sem a necessidade de intermediários ou custodiantes centralizados. Essas transações são facilitadas por contratos inteligentes, que são acordos autoexecutáveis escritos em código, permitindo que as partes envolvidas negociem de forma segura e transparente. As DEXs foram criadas para proporcionar uma negociação peer-to-peer (P2P) de criptomoedas, onde os usuários mantêm controle sobre suas chaves privadas e, frequentemente, não precisam compartilhar informações pessoais para realizar transações, priorizando a privacidade e a autonomia.

As exchanges descentralizadas populares foram construídas sobre os principais blockchains que suportam contratos inteligentes. Eles são construídos sobre protocolos de camada um, o que significa que são construídos diretamente no blockchain. Os DEXs mais populares são construídos na blockchain Ethereum.

Como funcionam os DEXs?

Como as exchanges descentralizadas são construídas sobre redes blockchain que suportam contratos inteligentes e onde os utilizadores mantêm a custódia dos seus fundos, cada negociação incorre numa taxa de transação juntamente com a taxa de negociação. Em essência, os traders interagem com contratos inteligentes na blockchain para usar DEXs.

Existem três tipos principais de bolsas descentralizadas: criadores de mercado automatizados, DEXs de livros de pedidos e agregadores de DEX. Todos eles permitem que os usuários negociem diretamente entre si por meio de seus contratos inteligentes. As primeiras exchanges descentralizadas utilizavam o mesmo tipo de carteira de pedidos, semelhante às bolsas centralizadas.

Tipos de exchanges descentralizadas
Tipos de Exchange Descentralizadas

Como usar exchanges descentralizadas

 A utilização de uma exchange descentralizada não envolve processo de inscrição, pois você nem precisa de um endereço de e-mail para interagir com essas plataformas. Em vez disso, os comerciantes precisarão de uma carteira compatível com os contratos inteligentes na rede da bolsa. Qualquer pessoa com smartphone e conexão à internet pode se beneficiar dos serviços financeiros oferecidos pelas DEXs.

Para utilizar DEXs, o primeiro passo é decidir qual rede o usuário deseja utilizar, pois cada negociação incorrerá em uma taxa de transação. O próximo passo é escolher uma carteira compatível com a rede selecionada e financiá-la com seu token nativo. Um token nativo é o token usado para pagar taxas de transação em uma rede específica.

Extensões de carteira que permitem aos usuários acessar seus fundos diretamente em seus navegadores facilitam a interação com aplicativos descentralizados (DApps), como DEXs. Eles são instalados como qualquer outra extensão e exigem que os usuários importem uma carteira existente por meio de uma frase inicial ou chave privada ou criem uma nova. A segurança é ainda reforçada por meio de proteção por senha.

Essas carteiras também podem ter aplicativos móveis para que os traders possam usar protocolos DeFi em trânsito, pois vêm com navegadores integrados prontos para interagir com redes de contratos inteligentes. Os usuários podem sincronizar carteiras entre dispositivos importando de um para outro. 

Depois de escolher uma carteira, ela precisará ser financiada com os tokens usados ​​para pagar as taxas de transação na rede escolhida. Esses tokens devem ser comprados em bolsas centralizadas e são facilmente identificáveis ​​através do símbolo que usam como para Ethereum. Depois de comprar os tokens, os usuários simplesmente precisam retirá-los para as carteiras que controlam. 

É crucial evitar a transferência de fundos para a rede errada. Portanto, os usuários devem retirar seus fundos para o local correto. Com uma carteira financiada, os usuários podem conectar sua carteira por meio de um prompt pop-up ou clicar no botão “Conectar carteira” em um dos cantos superiores do site dos DEXs.

A negociação em bolsas descentralizadas pode ser cara, especialmente se as taxas de transação de rede forem elevadas quando as negociações são executadas. No entanto, existem inúmeras vantagens em usar plataformas DEX.

Disponibilidade de token

As exchanges centralizadas precisam examinar individualmente os tokens e garantir que cumpram os regulamentos locais antes de listá-los. As exchanges descentralizadas podem incluir qualquer token cunhado na blockchain em que são construídos, o que significa que novos projetos provavelmente serão listados nessas exchanges antes de serem disponibilizados em suas contrapartes centralizadas.

Embora isso possa significar que os comerciantes podem entrar nos projetos o mais cedo possível, também implica que todos os tipos de golpes estão listados nas DEXs. Um golpe comum é conhecido como “puxar tapete”, um típico golpe de saída . As puxadas de tapete ocorrem quando a equipe por trás de um projeto descarta os tokens usados ​​para fornecer liquidez nos pools dessas bolsas quando seu preço sobe, impossibilitando a venda de outras negociações.

Anonimato 

Quando os usuários trocam uma criptomoeda por outra, seu anonimato é preservado nas DEXs. Ao contrário das trocas centralizadas, os usuários não precisam passar por um processo de identificação padrão conhecido como Know Your Customer (KYC). Os processos KYC envolvem a recolha de informações pessoais dos comerciantes, incluindo o seu nome legal completo e uma fotografia do seu documento de identificação emitido pelo governo. Como resultado, as DEXs atraem um grande número de pessoas que não desejam ser identificadas.

Riscos de segurança reduzidos

Os utilizadores experientes de criptomoedas que guardam os seus fundos correm um risco reduzido de serem pirateados através de DEXs, uma vez que estas bolsas não controlam os seus fundos. Em vez disso, os traders protegem os seus fundos e só interagem com a bolsa quando desejam. Se a plataforma for hackeada, apenas os provedores de liquidez poderão estar em risco.

Risco de contraparte reduzido

O risco de contraparte ocorre quando a outra parte envolvida numa transação não cumpre a sua parte no negócio e deixa de cumprir as suas obrigações contratuais. Como as bolsas descentralizadas operam sem intermediários e se baseiam em contratos inteligentes, este risco é eliminado.

Para garantir que nenhum outro risco surja ao usar um DEX, os usuários podem fazer rapidamente uma pesquisa na web para descobrir se os contratos inteligentes da bolsa foram auditados e podem tomar decisões com base na experiência de outros traders.

Desvantagens de usar DEXs

Apesar das vantagens acima, existem várias desvantagens das exchanges descentralizadas, incluindo a falta de conhecimento técnico necessário para interagir com essas exchanges, a quantidade de vulnerabilidades de contratos inteligentes e listagens de tokens não verificadas.

 necessário conhecimento específico

Os DEXs são acessíveis por meio de carteiras de criptomoedas que podem interagir com contratos inteligentes. Os utilizadores não só têm de saber como utilizar estas carteiras, como também têm de compreender os conceitos relacionados com a segurança associados à manutenção da segurança dos seus fundos.

Estas carteiras devem ser financiadas com os tokens corretos para cada rede. Sem o token nativo da rede, outros fundos podem ficar presos, pois o trader não pode pagar a taxa necessária para movê-los. É necessário conhecimento específico para escolher uma carteira e financiá-la com os tokens corretos. 

Além disso, evitar a derrapagem pode ser um desafio mesmo para investidores experientes, ou mesmo quase impossível na compra de tokens com menos liquidez. Freqüentemente, a tolerância ao deslizamento nas plataformas DEX precisa ser ajustada manualmente para os pedidos. Além disso, ajustar o deslizamento pode ser técnico e alguns usuários podem não entender completamente o que isso significa.

Sem conhecimentos específicos, os traders podem cometer vários erros que podem levar à perda de fundos. Retirar moedas para a rede errada, pagar taxas de transação a mais e perder devido a perdas impermanentes são apenas alguns exemplos do que pode dar errado.

Vulnerabilidades de contratos inteligentes

Contratos inteligentes em blockchains como o Ethereum estão disponíveis publicamente e qualquer pessoa pode revisar seu código. Além disso, os contratos inteligentes de grandes bolsas descentralizadas são auditados por empresas conceituadas que ajudam a proteger o código.

Errar é humano. Portanto, bugs exploráveis ​​ainda podem escapar de auditorias e outras revisões de código. Os auditores podem até ser incapazes de prever potenciais novas explorações que podem custar aos fornecedores de liquidez os seus tokens.

Listagens de tokens não avaliadas

Qualquer um pode listar um novo token em uma bolsa descentralizada e fornecer liquidez emparelhando-o com outras moedas. Isso pode deixar os investidores suscetíveis a golpes, como puxões de tapete, que os fazem acreditar que estão comprando um token diferente.

Alguns DEXs combatem esses riscos pedindo aos usuários que verifiquem o contrato inteligente dos tokens que desejam comprar. Embora esta solução funcione para usuários experientes, ela volta a problemas de conhecimento específicos para outros. 

Antes de comprar, os traders podem tentar obter o máximo de informações possível sobre um token lendo seu white paper, juntando-se à sua comunidade nas redes sociais e procurando potenciais auditorias sobre o projeto. Esse tipo de due diligence ajuda a evitar golpes comuns em que atores mal-intencionados se aproveitam de usuários desavisados.

As exchanges descentralizadas continuam evoluindo 

As primeiras exchanges descentralizadas surgiram em 2014, mas essas plataformas só se tornaram populares à medida que os serviços financeiros descentralizados construídos em blockchain ganharam força e a tecnologia AMM ajudou a resolver os problemas de liquidez anteriormente enfrentados pelas DEXs.

É difícil para estas plataformas aplicar verificações de Conheça o seu Cliente e de Combate ao Branqueamento de Capitais, uma vez que não existe uma entidade central que verifique o tipo de informação tradicionalmente submetida a plataformas centralizadas. Os reguladores podem, no entanto, tentar implementar estas verificações em plataformas descentralizadas.

Os regulamentos aplicados aos custodiantes também não se aplicariam a estas plataformas, uma vez que aquelas que aceitam depósitos dos utilizadores ainda exigem que os utilizadores assinem mensagens na blockchain para transferir fundos das suas plataformas.

Hoje em dia, as bolsas descentralizadas permitem aos utilizadores pedir fundos emprestados para alavancar as suas posições, emprestar fundos para ganhar juros passivamente ou fornecer liquidez para cobrar taxas de negociação.

Como essas plataformas são construídas sobre contratos inteligentes autoexecutáveis, mais casos de uso poderão ser criados no futuro. Os empréstimos instantâneos, que se referem a empréstimos contraídos e reembolsados ​​numa única transação, são um exemplo de como a inovação no espaço financeiro descentralizado pode criar produtos e serviços que antes não eram possíveis.

Leia também: Binance – Conheça uma das Maiores Exchanges do Mundo

Leia também: ICO, o que é e como ela Funciona?

O conteúdo da CriptoEra destina-se a ser de natureza informativa e não deve ser interpretado como conselho de investimento. Negociar, comprar ou vender criptomoedas deve ser considerado um investimento de alto risco e todo leitor é aconselhado a fazer sua própria pesquisa antes de tomar qualquer decisão.

Sobre o Autor

Isa
Isa

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile