Phishing de criptomoedas o que e e como funciona

No crescente ecossistema de criptomoedas, onde a segurança digital é tão valiosa quanto os próprios ativos digitais, uma ameaça dupla como uma sombra: o phishing. O termo pode ser novo para alguns, mas suas consequências podem ser devastadoras para os detentores de criptomoedas e participantes desse universo financeiro em evolução. Phishing, quando direcionado às criptomoedas, é uma prática enganosa que busca explorar a paixão, a curiosidade e, às vezes, a engenhosidade dos entusiastas para roubar ativos valiosos e informações sensíveis.

No mundo das criptomoedas, onde cada token e cada transação são protegidos por complexos algoritmos de segurança, o fator humano muitas vezes se torna o mais fraco na cadeia de proteção. Através de mensagens convincentes, sites falsos e artifícios psicológicos, os perpetradores do phishing visam a captura de chaves privadas, senhas e informações pessoais que dão acesso aos cofres digitais dos indivíduos.

A singularidade das criptomoedas, com sua descentralização e anonimato relativo, cria um ambiente propício para o ataque. As transações irreversíveis, uma característica central das criptomoedas, tornam a recuperação de ativos perdidos após um ataque de phishing extremamente difícil, senão impossível. Portanto, a investigação das táticas de phishing e a adoção de medidas preventivas são cruciais para qualquer pessoa que interaja com criptomoedas. Neste artigo, discutiremos como funcionam os golpes de phishing, maneiras de reconhecê-los e dicas sobre como evitar ataques de phishing .

O que é phishing em criptomoeda?

Um ataque de Phishing em criptomoedas é um golpe que envolve enganar as vítimas para que forneçam suas chaves privadas ou informações pessoais. O invasor normalmente se disfarça de entidade ou pessoa legítima para ganhar a confiança da vítima. Depois que a vítima é enganada, o invasor usa suas informações para roubar seus fundos de criptomoedas ou identidde.

Os golpes de phishing estão se tornando cada vez mais comuns à medida que os cibercriminosos e os ataques cibernéticos se tornam mais sofisticados. Muitas delas têm como alvo carteiras, exchanges de criptomoedas e ofertas iniciais de moedas . Assim, os usuários de criptografia devem estar cientes de como trabalham para proteger a si mesmos e a seus fundos.

Como funciona um ataque de phishing?

Phishing em criptomoedas o que e e como evita lo

Um ataque de phishing geralmente começa com o envio de um e-mail ou mensagem em massa para vítimas em potencial. Muitas vezes, parecerá que vem de uma fonte legítima, como uma carteira ou uma bolsa de criptomoedas . A mensagem quase sempre contém um link que leva a um site falso que parece idêntico ao real. Depois que a vítima clica no link e insere suas informações de login, o invasor as utiliza (erroneamente) para acessar sua conta.

Os ataques de phishing levam o alvo à ação, apelando ao seu senso de urgência ou medo. Por exemplo, uma mensagem pode alegar um problema com a conta da vítima e que ela deve fazer login imediatamente para corrigir o problema. Outros tentam atrair as vítimas oferecendo uma recompensa falsa ou um lançamento aéreo. Alguns invasores até fingem preocupação alertando os proprietários de contas sobre “atividades suspeitas” para que insiram suas credenciais de login em um site falso.

Tipos de phishing e maneiras de reconhecer um e-mail de phishing?

Infelizmente, os e-mails de phishing podem ser bastante difíceis de detectar. A maioria dos phishers não mede esforços para fazer com que seus e-mails e sites pareçam legítimos. Mas, aqui estão alguns sinais de alerta a serem observados:

Cópia

A cópia envolve a duplicação do conteúdo distintivo de uma organização, como texto específico, fontes, logotipos ou esquemas de cores no site genuíno. A melhor maneira de evitar o phishing imitador é familiarizar-se com a marca das organizações com as quais você negocia. Dessa forma, você terá mais chances de pegar um impostor.

Erros ortográficos ou gramaticais

Os e-mails de phishing geralmente contêm erros ortográficos ou gramaticais. Os phishers geralmente têm pressa para divulgar sua mensagem e não perdem tempo para revisá-la. Em alguns casos, eles não são adeptos da linguagem que usam. Se você vir um e-mail com erros óbvios, provavelmente é uma tentativa de phishing.

Outra maneira de fazer phishing em alguém é incluir um link no e-mail que parece direcionar para o site legítimo, mas que leva você a um site falso. Uma abordagem comum para ataques de phishing é usar URLs (localizadores uniformes de recursos) encurtados ou links incorporados que disfarçam o verdadeiro site de destino.

Por exemplo, o texto âncora exibido para um hiperlink pode diferir significativamente do verdadeiro URL do link. Para imitar visualmente um destino de link autêntico, o phisher utiliza pequenos erros, como substituir um “i” minúsculo por um “I” maiúsculo.

Usando um e-mail público em vez de corporativo

Os invasores costumam usar uma conta de e-mail pública porque é mais fácil criar um e-mail falso de domínio público do que corporativo. Portanto, um e-mail com aparência oficial que termine com “@gmail.com” em vez de “@nomedaempresa.com” deve imediatamente levantar suspeitas.

Desalinhamento de conteúdo

Outra maneira de detectar um e-mail de phishing é procurar desalinhamento de conteúdo. Quando os phishers imitam um e-mail legítimo, nem sempre acertam os detalhes. Pode ter um tom ou estilo diferente daquele que você recebe regularmente de uma determinada empresa.

Em alguns casos, uma incompatibilidade entre mensagens e imagens incorporadas pode sinalizar uma tentativa de phishing. Por exemplo, o e-mail pode dizer “clique aqui para fazer login”, mas o botão diz “clique aqui para se inscrever”.

Ataques comuns de criptophishing

Os ataques de criptophishing visam diretamente os entusiastas e usuários de criptomoedas, explorando sua paixão por ativos digitais e seu interesse em participar do ecossistema. Aqui estão alguns ataques comuns de criptografia:

Ataque de spearphishing

Spear phishing é um ataque direcionado direcionado a um indivíduo ou organização específica. Aqui, o phisher tem algum conhecimento prévio sobre seu alvo e usará isso para personalizar o e-mail de phishing para que pareça legítimo. Por exemplo, o invasor falsificará um e-mail de uma pessoa ou organização familiar à vítima. Um link malicioso disfarçado de inocente é então adicionado.

Ataque baleeiro

Um ataque “baleeiro” é uma variação do ataque de phishing que visa empresas ou organizações de grande porte, muitas vezes com foco em executivos, funcionários de alto escalamento ou departamentos específicos. Esse tipo de ataque também é conhecido como “whaling” em inglês, em referência ao tamanho “grande como uma baleia” das organizações visadas.

O ataque baleeiro é uma forma mais sofisticada de spear phishing, onde os atacantes têm como alvo os “peixes grandes”, ou seja, indivíduos de importância estratégica na empresa. O objetivo é obter informações sensíveis, acesso a sistemas críticos, ou até mesmo realizar transferências financeiras fraudulentas.

Clonar ataque de phishing

Esse ataque acontece quando o phisher cria uma réplica de um e-mail legítimo que foi enviado ao alvo no passado. O invasor substitui o anexo ou link original por um malicioso e o envia para a vítima. Como o e-mail parece idêntico ao recebido anteriormente pela vítima, é mais provável que ela clique no link por hábito ou familiaridade.

Ataque farmacêutico

Nesse tipo de ataque de phishing, a vítima é redirecionada para um site falso, mesmo que insira a URL correta.Isso geralmente é feito infectando o servidor DNS, responsável por converter URLs em endereços IP, com código malicioso. O código redirecionará as vítimas para o site falso do invasor quando tentarem visitar um site legítimo.

Os ataques pharming são particularmente perigosos porque podem ser muito difíceis de detectar. Uma vítima pode inserir o URL correto do site do seu banco, mas ainda assim acessar um site falso que parece idêntico ao real.

Ataque gêmeo do mal

Um ataque maligno de phishing duplo tem como alvo redes Wi-Fi públicas. Veja como os invasores fazem isso: eles configuram uma rede Wi-Fi falsa usando o mesmo nome de uma rede legítima. Quando as vítimas se conectam à rede, elas serão solicitadas a inserir suas credenciais de login, que os phishers poderão usar para obter acesso às suas contas.

Ataque de phishing por voz

Também conhecido como vishing, esse tipo de phishing usa chamadas de voz ou correio de voz em vez de e-mails. Geralmente acontece em mídia baseada em voz, como voz sobre IP ou serviço telefônico residencial convencional.

Em um ataque de phishing por voz, o invasor falsifica o identificador de chamadas para fazer parecer que está ligando de uma organização legítima, como um banco. Os fraudadores Vishing frequentemente empregam software de síntese de voz para deixar mensagens de voz alertando possíveis vítimas sobre atividades fraudulentas em suas contas bancárias ou de crédito.

Ataque de phishing por SMS

O ataque de phishing por SMS, também conhecido como “smishing” (uma combinação de “SMS” e “phishing”), é uma estratégia de engenharia social em que os cibercriminosos usam mensagens de texto para enganar as vítimas e obter informações adicionais ou acesso não autorizado a contas e sistemas. O processo é semelhante ao phishing tradicional, mas em vez de usar e-mails, os atacantes usam mensagens de texto.

Robôs de phishing

Os bots de phishing são programas de computador que automatizam ataques de phishing. Eles podem ser usados ​​para enviar e-mails de phishing em massa, criar sites falsos e hospedar esses sites em servidores. Esses bots também podem coletar automaticamente as credenciais de login e outras informações confidenciais das vítimas. Esses programas são frequentemente aplicados em conjunto com outros tipos de ataques, como ataques de negação de serviço e spam.

Extensões de navegador falsas

Essas extensões são plug-ins maliciosos projetados para se parecerem com plug-ins legítimos. Eles são frequentemente usados ​​para roubar informações confidenciais, como credenciais de login e números de cartão de crédito. Além disso, podem redirecionar as vítimas para sites falsos, injetar malware nos seus computadores ou exibir anúncios indesejados.

Extensões de navegador falsas geralmente são distribuídas por meio de e-mails de phishing ou sites maliciosos. Quando instalados, podem ser difíceis de remover. As extensões são essencialmente phishing para obter informações privadas, como frases mnemônicas, chaves privadas e arquivos Keystore.

Sequestro de DNS

Phishing de criptomoedas oque e e como funciona

O sequestro do Sistema de Nomes de Domínio (DNS) redireciona as vítimas para um site falso, alterando as entradas DNS de um site legítimo. Para executar o ataque, um phisher substitui as entradas DNS, para que apontem para um endereço IP diferente. Quando as vítimas tentam visitar o site legítimo, elas são redirecionadas para o site falso do invasor. O ataque é então realizado carregando malware nos computadores das pessoas, assumindo o controle dos roteadores ou interferindo nas comunicações DNS.

Ataque de cripto-malware

Um ataque de cripto-malware é um tipo de malware que criptografa os arquivos da vítima e exige um resgate para descriptografá-los. Ele pode se espalhar por meio de e-mails de phishing, sites maliciosos ou extensões de navegador falsas. Uma vez instalado no computador da vítima, o malware criptografará seus arquivos e exibirá a mensagem de resgate na tela.

Phishing de gelo

Nesta forma de phishing, o invasor enviará à vítima uma transação falsa que parece ser de uma fonte legítima. A transação exigirá que a vítima assine com sua chave privada. Em outras palavras, a vítima é enganada e assina uma transação que transfere autoridade sobre seus tokens para o fraudador. Se a vítima prosseguir, ela transferirá, sem saber, a propriedade de seus tokens para o invasor.

Ataque de cripto-malware

Um ataque de cripto-malware é um tipo de malware que criptografa os arquivos da vítima e exige um resgate para descriptografá-los. Ele pode se espalhar por meio de e-mails de phishing, sites maliciosos ou extensões de navegador falsas. Uma vez instalado no computador da vítima, o malware criptografará seus arquivos e exibirá a mensagem de resgate na tela.

Como evitar um ataque de criptophishing?

Evitar um ataque de criptografia requer atenção cuidadosa, conscientização e adoção de práticas de segurança sólidas. Aqui estão algumas medidas que você pode tomar para se proteger contra esse tipo de ataque:

  • Educação e Conscientização: Conheça os sinais de um ataque de criptophishing. Esteja ciente das táticas usadas pelos atacantes e saiba como eles tentam enganar as vítimas.
  • Verificação do Remetente: Verifique sempre o endereço de e-mail, o número de telefone ou a identidade do remetente. Desconfie de mensagens não solicitadas ou de fontes desconhecidas.
  • Links Suspeitos: Evite clicar em links em mensagens não solicitadas. Passe o mouse sobre o link para verificar a URL antes de clicar. Seja especialmente cuidadoso com links encurtados.
  • Não Compartilhe Informações Sensíveis: Nunca compartilhe senhas, chaves privadas de criptomoedas, números de cartão de crédito ou outras informações sensíveis por e-mail, mensagem de texto ou qualquer forma de comunicação não segura.
  • Verificação Independente: Em caso de dúvida sobre uma mensagem ou solicitação, entre em contato com a empresa ou pessoa diretamente através de canais oficiais, em vez de usar informações fornecidas na mensagem suspeita.
  • Utilize Autenticação em Dois Fatores (2FA): Sempre que possível, ative a autenticação em dois fatores em suas contas. Isso adiciona uma camada extra de segurança exigindo um segundo método de verificação além da senha.
  • Verificação do Site: Antes de inserir informações em um site, verifique se a URL corresponde ao site legítimo da empresa. Preste atenção a erros ortográficos ou variações no domínio.
  • Atualizações e Patches: Mantenha seu sistema operacional, navegadores e aplicativos atualizados. Isso ajuda a corrigir vulnerabilidades conhecidas.
  • Não baixe extensões de navegador de fontes não confiáveis.
  • Use uma VPN ao se conectar à Internet, especialmente se estiver usando uma rede Wi-Fi pública.
  • Firewall e Antivírus: Use software de firewall e antivírus confiável para proteger seus dispositivos contra malware.
  • Desconfiança de Ofertas Irreais: Fique cético em relação a ofertas que parecem muito boas para serem verdadeiras. Se algo parece ser um “negócio imperdível”, é bom verificar cuidadosamente suas consequências.
  • Treinamento em Segurança Cibernética: Se você estiver envolvido no mundo das criptomoedas, considere obter treinamento em segurança cibernética específico para esse campo. Isso pode ajudá-lo a confiar e evitar ameaças.
  • Mantenha-se atualizado: Esteja ciente das últimas táticas de ataques de criptografia e evolua sua postura de segurança de acordo.

Leia também: Criptomoeda vs Computação Quântica: um Olhar Profundo no Futuro das Criptomoedas

Leia também:Como o Bitcoin é Semelhante ao Ouro?

O conteúdo da CriptoEra destina-se a ser de natureza informativa e não deve ser interpretado como conselho de investimento. Negociar, comprar ou vender criptomoedas deve ser considerado um investimento de alto risco e todo leitor é aconselhado a fazer sua própria pesquisa antes de tomar qualquer decisão.

Sobre o Autor

Isa
Isa

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile